Publicado por: correnteviva | agosto 17, 2009

“Nossas necessidades básicas de cada dia”

No meu artigo anterior trouxe um pouco o conceito de “resiliência” como proposta de trabalho e de atitude diante dos desafios por que passados hoje. A partir de um exemplo Bíblico, quero trazer para nossa reflexão, nesse mês de agosto, a importância de nos sentirmos amados, mesmo que as avalanches da vida nos tentem sufocar.

É do conhecimento de muitos a saga de Abrão e Sara juntamente com Agar sua escrava e o filho “bastardo” de Abrão com Agar. Sara teve uma gravidez bastante tardia. Se hoje a mulher ainda encontra dificuldades em ocupar seu espaço e valor na sociedade, o que dizer da época de Abrão e Sara, numa sociedade patriarcal? A mulher tinha uma missão quase que única de procriar, dar filhos ao marido. Se fosse estéril, era a vergonha do marido e podia ser rechaçada. Sara estava nessa condição. Assim sendo Abraão se une a sua escrava Agar e essa lhe dá um filho, Ismael, (conf. Gêneses 16,1-15). Qual não deve ter sido o sentimento de rejeição que sentiu Sara. Quanta humilhação.

O sentimento de humilhação passa pela sensação de não ser amado, de ser preterido, discriminado, sensação ainda de abandono. Essas sensações, como dizem alguns autores, podem ser reais ou imaginárias. A rejeição imaginária pode ser tão dolorosa quanto a rejeição real. Ocorre nos relacionamentos amorosos, na vida social, familiar ou no trabalho.

Bem, essa é a primeira parte a nossa história. A segunda acontece quando Sara consegue engravidar e dar à luz a Isaac, (conf. Gênesis, 21,1-21). Sara então pede a Abraão que mande embora Agar com seu filho Ismael. Aqui me chama a atenção a visão que o autor Bíblico tem de que Deus não faz acepções de pessoas e que ama também o filho “bastardo”. Por mais que nós rejeitemos alguém, Deus jamais rejeita. Ele protege também o filho de Agar.

Olhando para a literatura em psicologia, as conseqüências do abandono para a vida de uma pessoa são muito prejudiciais como: profunda sensação de ausência pessoal de valor; sensação de culpa; profunda atração pela morte, e muitas outras perdas em conseqüência disso. Muito teria aqui para se falar. Minha proposta é lançar a questão e cada um faça seu aprofundamento sobre o tema.

Para finalizar apresento-vos Maslow que define um conjunto de cinco necessidades do ser humano descritos numa pirâmide:

– necessidades fisiológicas (básicas), tais como a fome, a sede, o sono, o sexo, a excreção e o abrigo;

– necessidades de segurança, que vão da simples necessidade de sentir-se seguro dentro de uma casa a formas mais elaboradas de segurança como um emprego estável, um plano de saúde ou um seguro de vida;

– necessidades sociais ou de amor, afeto, afeição e sentimentos tais como os de pertencer a um grupo ou fazer parte de um clube;

– necessidades de estima, que passam por duas vertentes, o reconhecimento das nossas capacidades pessoais e o reconhecimento dos outros face à nossa capacidade de adequação às funções que desempenhamos;

– necessidades de auto-realização, em que o indivíduo procura tornar-se aquilo que ele pode ser.

Lanço o desafio para reflexão: Será que todos os indivíduos em nossa sociedade, têm essas cinco necessidades garantidas?

 

Pedre e psicólogo  Bendito Carlos Alves dos Santos


Responses

  1. Oi Padre obrigado por mais este importante assunto.
    Abraço.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: